DOCUMENTOS
Relatórios
TOTAL DE PUBLICAÇÕES - 2
Mês:
Janeiro
Categoria:
10/01/2020
Controles que auxiliarão no monitoramento dos compromissos de suas obrigações e dos valores a receber.
02/01/2020
O uso do Caixa Diário contribui para ter certeza de tudo o que ocorre em sua movimentação financeira seja o Gestor ou Colaborador responsável pelos seus registros ajuda a verificar se não existem erros de registro ou desvios de recursos. 
Voltar
Confira as Últimas Notícias
31/10/2022 - Importância da Contabilidade no Patrimônio
Autora: Francieli BrungneraA contabilidade parte do princípio da entidade, ou seja, cuida do seu patrimônio, este que possui seus bens e direitos, sendo suas disponibilidades (como por exemplo caixa, banco, estoque, cliente) e também seus investimentos (como por exemplo máquinas, terrenos e equipamentos). Em contra partida, temos as obrigações, sendo elas com terceiros, como fornecedor e empréstimos, onde também encontra-se o capital próprio, como o capital social que a empresa iniciou e lucros ou prejuízos que ela resulta em cada período. Diante disso, o campo de aplicações da contabilidade, se dirige a parte contábil da empresa, em questão de valores, salários, compras, vendas, aquisições, pagamentos e demais rotinas em que a empresa realiza. Evidenciando todos os lançamentos no livro diário, em que para cada débito existe um crédito. Onde também, a contabilidade tem suma importância nas tomadas de decisões, trazendo informações úteis, baseadas nos últimos registros e documento, para que a empresa cresça e seja feito investimentos e aplicações de forma correta, tem-se assim uma boa contabilidade. A função econômica da contabilidade, relaciona-se ao fluxo de receitas e despesas, gerando lucro ou prejuízo, diante das variações do patrimônio líquido, assim se a empresa tem mais receitas que despesas, ela obterá lucro, caso contrário, terá prejuízo, isso porque ela teve mais despesas do que receitas (vendas). Além da função econômica, tem-se a função financeira, remetendo aos fluxos de caixa, ou seja, ao registro da movimentação de entradas e saídas, diante do pagamento e recebimento de suas contas. E também a outra função financeira, referindo-se ao capital de giro, ou seja, o capital que a entidade precisa para dar o giro cotidiano, para pagar suas despesas, por exemplo.             O patrimônio é tudo que a empresa possui, desde seus bens, direitos, obrigações e capital, sendo estes pontos que o constrói, estando tudo registrado no Balanço Patrimonial, sendo dividido em Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido, em que o total do Ativo deve ser igual a soma do Passivo com o Patrimônio Líquido. Os aspectos qualitativos do Patrimônio são suas contas, melhor dizendo, seus grupos e subgrupos, como por exemplo a conta banco, encontrando-se no grupo do Ativo e subgrupo no Ativo Circulante e ainda melhor especificando, estando nas Disponibilidades. Já a parte quantitativa do Patrimônio, é a parte monetária, ou seja, os saldos que as contas possuem, sendo os débitos e créditos registrados no balanço.Com todo exposto, a contabilidade trabalha para o controle do Patrimônio, para fornecer informações úteis para melhores decisões e registros, chegando ao final do período com lucratividade e sucesso. 
14/10/2021 - A SAGA do trabalho
De Alaxendro Rodrigo Dal Piva “Vivo em mundo cruel, não consigo colocação, deixei meu currículo em várias empresas, ninguém me chama, estudei tanto e não consigo nenhum trabalho, não valorizam meu conhecimento, tenho potencial para mais e não me reconhecem, onde trabalho não usam minhas habilidades”, e aí vai... VOCÊ JÁ SE DEPAROU COM ESTAS EXPRESSÕES? Até parece títulos de uma série da SAGA do trabalho IDEAL em que o protagonista, a cada episódio encontra uma barreira e o público que o assiste fica cúmplice de seus atos e torce para que tudo dê certo, esperando até um milagre ou um personagem que venha atender seus pedidos. Brincadeiras à parte, a “saga” é de se estabelecer em um segmento no mercado de trabalho e se realizar em uma carreira profissional. A busca da realização profissional é uma das principais inquietações do ser humano, pois se relaciona a independência financeira e a sua própria satisfação pessoal em fazer e/ou trabalhar no que realmente o satisfaz. Ter o êxito neste encontro “realização profissional” versus “fazer o que gosta”, envolve algumas barreiras em nosso dia-a-dia, como o próprio mercado de trabalho, sua escolha na carreira profissional e de grande relevância que sabe fazer de melhor, assim aumentará o seu “leque” de empregabilidade. Para falar em empregabilidade devemos saber o que é e a sua importância. Vários autores e especialistas escrevem a respeito deste tema. Afinal, o que devemos saber para não sofrer consequências das mudanças globais e as novas atividades funcionais que estão surgindo, algumas oriundas da inovação e outras pela mudança dos negócios? Destaco aqui que a empregabilidade está na capacidade de evoluir como profissional em sua carreira e principalmente manter-se empregado defronte a rápida construção de novos negócios ligados a tecnologia que mudam a maneira de desenvolver as atividades diárias, que nós estamos acostumados executar. Assim, o indivíduo que está sintonizado pelos fatores que afetam o trabalho, terá um grau maior de empregabilidade no mercado de trabalho. Além de ter uma ocupação que lhe gere renda estará fazendo o que realmente gosta e, porque não dizer, contribuindo nas mudanças que estão acontecendo, sendo um agente de transformação ativo e indispensável pelas empresas que disponibilizam vagas buscando profissional com este nível de entendimento. Então, ao colocar-se disponível no mercado de trabalho além de se relacionar com outras pessoas, também terá propostas criativas, capacidade de inovar e de se manter atualizado com as mudanças que ocorrem, consequentemente se posicionar com destaque requer muita energia e foco no que se propôs em sua carreira. A empregabilidade se bem trabalhada empregando seus conhecimentos, mais habilidades que adquiriu em toda sua vida, tem um impacto enorme em sua vida profissional, pois, trará segurança, autoconfiança e muita motivação em inovar e de se desenvolver constantemente, atenderá os segmentos de negócios em suas mutações. É fato, que as funções como já foram descritas não existam mais ou irão sumir, mas por outro lado tem um bom índice de novas ocupações com remunerações das mais diferenciadas, só bastará você escolher e atingir o sucesso em sua realização. Mas, se não estou neste nível de empregabilidade ainda, estou no meu 1º emprego e/ou atividade profissional, como devo me organizar para ter está segurança profissional? Seguem algumas sugestões: 1. Desenvolver suas competências; 2. Ser proativo; 3. Se relacionar bem (ser educado, saber ouvir, ter opinião com base, respeitar as diferenças...); 4. Ser independente, autoconfiante e motivado. Caso não tenho 100% destas habilidades citadas é agora o momento para começar a sua “SAGA” em busca de sua empregabilidade. Inicie conhecendo seus pontos fortes e os pontos que devem ser melhorados, isso é indispensável para que se aprimore e conheça melhor. Claro que ter mais pontos fortes do que aqueles que tenho que melhorar é uma vantagem significativa, mas, sabemos que a proatividade e a iniciativa em fazê-lo fará a grande diferença frentes aos demais concorrentes que disputam a mesma colocação no mercado. O mercado está aquecendo, mesmo com tantas dificuldades que vivenciamos em nosso dia-a-dia, seja na economia nacional ou local, com o custo de vida aumentando nos alerta ainda mais da necessidade de melhorar nossas habilidades, competências e inovações. Finalizando, ter uma formação atualizada, um bom relacionamento interpessoal e saber trabalhar em equipe são requisito que lhe ajudarão a iniciar a caminhada e por consequência realizar as suas expectativas profissionais e pessoais. Seja protagonista da sua vida.
20/09/2021 - Microempreendedor Individual: O que é? Quais os seus benefícios após a formalização?
 De Larissa Andreza FilipiniO MEI (microempreendedor individual) é uma opção de natureza jurídica originou-se através de um projeto legislativo em 2008 com o objetivo de formalizar os profissionais que trabalham por conta própria. Ainda assim com a criação do Microempreendedor Individual muitos profissionais liberais conseguiram fazer a sua formalização e se beneficiar das vantagens que o mesmo oferece, assim como: benefícios previdenciários, comprovante de renda, acesso a produtos bancários, vendas para o governo e emissão de notas fiscais. Um dos benefícios com extrema relevância após a formalização é que o profissional terá a possibilidade de ofertar os seus serviços ou vendas de mercadorias para os órgãos governamentais. Para o empresário ter acesso a esses benefícios é necessário estar regular com as suas obrigaçõesApós a formalização será disponibilizado para o empresário o cartão do CNPJ (Cadastro Nacional Pessoa Jurídica) e o certificado de condições de microempreendedor individual, no qual comprova a sua formalização junto aos órgãos competentes. Um dos pontos importantes que vale ressaltar é que desde a chegada da RESOLUÇÃO CGSIM Nº 59, DE 12 DE AGOSTO DE 2020 não é mais obrigatório possuir o licenciamento de alvarás junto à os órgãos competentes, o MEI fica autorizado a iniciar as suas atividades de imediato após a sua formalização. Isso tudo leva como o objetivo principal a diminuição da burocracia para o autônomo realizar a formalização e usufruir das vantagens existentes. De acordo com a RESOLUÇÃO CGSIM Nº 59, "Art. 16. O MEI manifestará sua concordância com o conteúdo do Termo de Ciência e Responsabilidade com Efeito de Dispensa de Alvará e Licença de Funcionamento a partir do ato de inscrição ou alteração, emitido eletronicamente, que permitirá o exercício de suas atividades.” BRASIL (2020).Uma das condições para se formalizar é possuir um faturamento de até R$ 81.000,00 (oitenta e um mil reais) anual. Podendo desta forma efetuar a contratação de 1 (um) funcionário, com o piso salarial de um salário mínimo ou piso definido pela categoria.  Os benefícios após a sua formalização é a contribuição e direitos previdenciários, nos quais são: Aposentadoria sobre um salário mínimo por idade/invalidez, auxilio doença, salário maternidade e pensão por morte para familiares. O recolhimento da contribuição previdenciária pelo Microempreendedor Individual é realizado com base no salário mínimo e assim empresas com atividades de comercio, indústria ou prestação de serviços possuem valores de contribuições distintas.    ATIVIDADE INSS ISSQN ICMS TOTAL Comércio/Industria R$ 55,00 R$ 0,00 R$ 1,00 R$ 56,00 Prestação de serviços R$ 55,00 R$ 5,00 R$ 0,00 R$ 60,00 Comércio + Serviços R$ 55,00 R$ 5,00 R$ 1,00 R$ 61,00 Fonte: https://blog.nubank.com.br/contribuicao-mei-inss-2021/Conforme a Lei Complementar nº 123 de 14 de dezembro de 2006 “Art. 18-A. O Microempreendedor Individual - MEI poderá optar pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, independentemente da receita bruta por ele auferida no mês, na forma prevista neste artigo.” BRASIL (2020). No entanto existem algumas atividades liberais que não são permitidas a serem optantes pelo MEI, alguns exemplos de atividades são: advogados, médicos, dentistas, engenheiros, psicólogos, nutricionistas, contadores entre outras. Esses profissionais não podem ser microempreendedores individuais pois não se enquadram nos requisitos solicitado pelo governo, os mesmos podem optar pela natureza jurídica ME, Eireli ou Sociedade Limitada (caso for mais de um sócio). Entretanto quem é sócio ou administrador de outra empresa não possui a permissão de se tornar MEI, só é permitido optar pela natureza jurídica profissionais liberais que atuam como autônomo e que tenham um faturamento anual de até R$ 81.000,00 (oitenta e um mil reais).Vale ressaltar que o seu produto/serviço não deixe de seguir um padrão de qualidade e o prazo de entrega devido ao aumento da demanda de tarefas, esse é um dos pontos mais relevantes dentro do mundo empreendedor. É importante salientar que toda empresa almeja crescer, nesse sentido é preciso ter um comportamento proativo quando abrimos ou expandimos um negócio, com isso o empresário necessita de uma boa tomada de decisão nos seus desafios com o auxílio de uma gestão e um planejamento empresarial.    Referências: https://www.jornalcontabil.com.br/mei-precisa-de-alvara-e-licenca-de-funcionamento/ https://www.gov.br/empresas-e-negocios/pt-br/empreendedor https://blog.nubank.com.br/contribuicao-mei-inss-2021/ https://www.contabilizei.com.br/contabilidade-online/mei/ https://ficatranquilo.com.br/blog/como-surgiu-o-mei https://www.jornalcontabil.com.br/mei-precisa-de-alvara-e-licenca-de-funcionamento/ http://www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/Documentos/Pagina.aspx?id=4
16/10/2020 - Importância de um WebSite para o setor público
De Paulo Martins GasparA importância da transparência nos municípios tem ganhado destaque nas diferentes esferas sociais, visto que cada vez mais é necessário se adequar à Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527/2011). A legislação está ancorada em pontos essenciais que buscam fornecer clareza aos agentes públicos sobre o que o município deve divulgar a fim de promover a clareza dos gastos públicos. Uma alternativa eficaz para cumprir a Lei de Acesso à Informação são os portais web, também chamados de WebSites, que possibilitam a população em geral o acesso fácil às informações das receitas e despesas de seu município.  Segundo o Tribunal de Contas do Estado do Paraná – TCEPR (2019), há vários fatores que mensuram a eficiência de um WebSite nas divulgações de informações, sendo levado em consideração os seguintes critérios: ·            Informações gerais publicadas no sitio eletrônico do município; ·            Informações sobre licitações, dispensas e inexigibilidade; ·            Execução orçamentária; e ·            Divulgação de ações, programas e gastos. A avaliação da transparência dos portais municipais é de responsabilidade do TCEPR, pelo Índice de Transparência da Administração Pública - ITP que avalia o desempenho de cada portal, caso o portal não cumpra os requisitos mínimos de divulgação e de transparência, o gestor no município recebe uma notificação. Segundo o TCEPR (2019), o ITP será utilizado para o ranking nacional da entidade e, a partir de 2020, deve também fundamentar a avaliação dos portais da transparência das câmaras municipais e dos demais poderes na esfera estadual. O TCEPR reforça que, futuramente o indicador servirá ainda como um dos critérios de apreciação das contas anuais dos gestores públicos paranaense, evidenciando a transparência de cada município do Paraná. Assim, destaca-se a importância de ter um WebSite estruturado corretamente é evidente e necessário, mostrando que não é simplesmente um portal, mas sim, uma extensão da comunicação dos Atos Legais do município com seus cidadãos e aos demais órgãos governamentais.
24/09/2020 - Recursos Humanos em Organizações de Terceiro Setor
De Leliane Hoffmann da SilvaAs ONGs por serem instituições sem fins lucrativos atuam em diversas áreas como educação, saúde, cultura, esporte além da defesa dos direitos, o inicio da grande maioria das instituições deu-se pelos movimentos sociais, porem a maioria das pessoas acredita que estas instituições são apenas uma “forma de caridade” realizada por pessoas e empresas. Entretanto as ONGs são agentes diretos de mudança para a sociedade onde está inserida. E sob a ótica da gestão de pessoas, o presente artigo tem por objetivo conhecer os modelos de gestão de recursos humanos adotados pelas instituições do Terceiro Setor, bem como tomar conhecimento das dificuldades encontradas pelas mesmas para a estruturação do quadro de voluntários. O estudo é elaborado a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos. A superação dos desafios analisados, nos mostra que todo o trabalho é realizado pelas pessoas, e as organizações do Terceiro Setor são constituídas para pessoas, e este objetivo reforça a necessidade de ter um bom gerenciamento de recursos humanos, de uma forma a encontrar condições para desenvolver da melhor maneira o trabalho.INTRODUÇÃO Administrar uma organização tradicional não é uma tarefa fácil de ser realizada; os empreendedores enfrentam diariamente a competitividade do mercado, mudanças econômicas, tecnológicas, além da presença constante das dificuldades com o conhecimento, gerenciamento de equipe, além de ter todo o conhecimento relevante para uma boa administração. Entretanto quando falamos em administrar uma instituição sem fins lucrativos o processo torna-se ainda mais difícil, sua estrutura e gestão nem sempre se apresenta de forma adequada, com os departamentos estruturados como recursos humanos, financeiro e gerência; a sociedade reconhece este tipo de organização como uma estrutura de ação caridosa. No mundo atual caracterizado por alta competitividade e mudanças constantes, uma instituição sem fins lucrativos necessita de um modelo de gestão de recursos humanos de acordo com o seu perfil e com demandas específicas para este tipo de organização; sendo necessário então um estudo das características relacionadas entre a administração de recursos humanos e o terceiro setor. O empreendedorismo social já possui seu espaço na estrutura de qualquer comunidade, tendo em vista os problemas gerados pela exclusão, e estas ações tomadas pelos empreendedores sociais são capazes de causar mudanças essenciais na comunidade onde atuam. A maior contribuição que um profissional de recursos humanos pode dar para uma organização sem fins lucrativos é selecionar corretamente os colaboradores, pois estes colaboradores vão precisar estar alinhados e ter atitudes adequadas à cultura, a missão, a visão e aos objetivos da ONG. O Terceiro Setor surge na forma de sociedade civil organizada, composta por uma vasta gama de organizações que possuem como objetivos os problemas sociais, já abordados pelo estado e organizações privadas. (...) o ponto de vista de que a sociedade pode ser organizada a partir de três setores está se consolidando. Mais do que a adoção de um novo conceito, isso denota uma nova mentalidade, apoiada no reconhecimento da importância das iniciativas que surgem espontaneamente no seio da sociedade civil e de que o ‘modelo dualista’ não é suficiente para oferecer respostas plenas aos dilemas sociais da atualidade (SILVA, 2001, p. 20). Para cada cultura são encontrados termos como “setor da caridade”, “setor independente”, “setor voluntário”, “organizações não governamentais”, “economia social”, “filantropia” etc., o que acaba gerando dificuldades para estabelecer relações de semelhança entre os setores, em cada país. Cada denominação deixa claro o aspecto da realidade representada pelo terceiro setor. Desde os países desenvolvidos da América do Norte, Europa e Ásia até as sociedades em desenvolvimento da África, América Latina e do antigo bloco soviético, pessoas estão formando associações, fundações e instituições similares para a provisão de serviços humanitários, promover o desenvolvimento econômico de base, prevenir a degradação ambiental, proteger direitos civis e perseguir milhares de demandas que não eram atendidas ou eram deixadas de lado pelo Estado (ALVES, apud SALAMON, 1994, p. 109). O Terceiro Setor conta com uma estrutura específica, onde ele engloba todo o tipo de organização sem fins lucrativos.
24/04/2020 - Flutter: O Futuro do Desenvolvimento de Aplicativos Móveis
Autor: Alex de Carvalho O que você precisa saber sobre FlutterComeçando pelo recurso fantástico do framework, a linguagem de programação utilizada é o “dart”, neste artigo não será explicado o que é, e como funciona o dart, mas imagine se você pudesse reunir em uma única linguagem de programação as melhores regras e conceitos como declaração de variáveis, classes, objetos, métodos… simplificando é um compilado de coisas boas que já existe em outras linguagens como Java, C, PHP, Python, Javascript, Visual Basic.Por onde começarA melhor técnica para descobrir os prós e contras de um framework, é desenvolver projetos usando recursos disponíveis do mesmo e, para minha experiência explorei alguns requisitos que são utilizados constantemente nas aplicações, são eles, consumo de API, login usando redes sociais e outros, também foi desenvolvido um backend, que chamo de “painel de controle” para manutenções de registros, abaixo estão listados 6 critérios que segui para descrever esta experiência, veja o resultado.1. Curva de AprendizadoPara pessoas que não tem conhecimento com o desenvolvimento mobile, Flutter pode ser uma ótima oportunidade para aprender e desenvolver aplicativos de forma simples, sendo mais claro, em meu projeto de teste foi implementado alguns requisitos conforme mencionado no tópico acima, como login por redes sociais, consumo de API, leitor de QR-CODE, comunicação com Firebase e outras funcionalidades, o tempo que levou para o término do mesmo foi de 1 mês e 15 dias entre estudar, desenvolver aplicação em Flutter, implementar a API para requisições e um sistema com painel de controle para manutenções dos registros conforme imagem abaixo.Figura-1 Processo de comunicação entre backend, API e aplicativo.2. Comparando Flutter com outros Frameworks HíbridosFlutter veio com uma proposta diferente de seus concorrentes de frameworks híbridos, veja como se comporta seus principais concorrentes IONIC e React Native:IONIC: Usa a “Webview” do navegador e roda suas aplicações conforme um “website” responsivo.React Native: Usa componentes nativos das plataformas Android e IOS, mas o código da aplicação é a linguagem Javascript, responsável na comunicação dos componentes, esta ligação acontece através de uma ponte que pode ser chamado de “intermediador”.Flutter: Diferente de seus concorrentes híbridos, usa a linguagem dart que roda em baixo nível sem precisar executar “Webview” ou utilizar intermediador de comunicação. As linguagens de baixo nível são importantes para a segurança das aplicações e por estarem muito próximas das instruções do processador, o tratamento de informações acontece de forma acelerada.3. Design de ComponentesO Flutter desenha os próprios componentes em canvas, isso dá uma grande vantagem para rodar em diversos aparelhos com resoluções diferentes sem perder a qualidade, funciona como uma engine de jogos, desenhando pixel-a-pixel, rodando até 120 fps, (FPS) frames por segundo.4. Desenvolvimento Real-Time (Hot Reload)Se tratando de produtividade, acredito ser uma das maiores vantagens do framework, possibilita os desenvolvedores visualizarem o que foi implementado praticamente em tempo real, chamado de Hot Reload, a maneira como ele faz isso é, carregando apenas o conteúdo da tela que foi alterado, veja o exemplo:“Vamos imaginar que estamos codificando e precisamos alterar a cor background da “TabBar” de nossa aplicação de azul para vermelho, assim que for alterado a cor via código fonte e salvo o, próprio framework se encarrega de atualizar a cor no emulador, isso possibilita os desenvolvedores e designers tomarem decisões de forma rápida, sem falar na sensação de maior produtividade”.5. ProblemasApesar de sua crescente popularidade, parece tudo muito simples e fácil, cheguei a me perguntar: será mais uma “modinha”, devo perder meu tempo? Na minha opinião, acredito que haverá algumas mudanças quanto ao framework, por se tratar de uma nova alternativa, suponho que seja normal estas transformações, também presumo que você não vai perder tempo em aprender uma novidade com tendência de mercado, com certeza será uma grande experiência.6. PlataformasQuero deixar claro que minha experiência até o momento foi com a plataforma Android, mas o próprio Google divulga no site do Flutter que o framework é compatível com as plataformas Android, IOS e recentemente também ficou compatível para projetos Web.ResumoO Flutter possui uma curva de aprendizado rápido, até mesmo para quem nunca trabalhou com mobile é fácil desenvolver pequenos projetos de forma produtiva, acredito que o framework Flutter está apenas começando e vai se manter no mercado de acordo com seus diferenciais como rodar em baixo nível, o desenvolvimento acontece em tempo real (Hot Reloade), também preciso ressaltar que está sendo apoiado por uma gigante da tecnologia a Google e grandes empresas já adotaram ou estão adotando a tecnologia em seus projetos.Fonte:https://medium.com/@alexcarvalho31/flutter-o-futuro-do-desenvolvimento-de-aplicativos-m%C3%B3veis-832baeb78706



Desenvolvido por:

Copyright © 2024 AFinanceiro - Todos os direitos reservados.